Proteção Animal, Receitas Veganas e Vegetarianas, Direitos dos Animais

segunda-feira, 16 de setembro de 2013

Músicas acalmam mesmo os cães?


Criadores e donos de cães domésticos ganham mais um aliado de peso que promete aliviar o stress e acalmar desde o Maltês até o Pitbull. Isso porque, através de uma pesquisa, cientistas e médicos veterinários concluíram que os benefícios terapêuticos da musicoterapia também se aplicam aos animais de estimação. A pesquisa ainda afirma que os efeitos são muito mais eficazes em cães, devido ao fato de que, depois do olfato, sua audição é o segundo sentido mais aguçado.
Como relatado nos filmes Marley e Eu, de David Frankel-2008, e Beethoven, de Brian Levant-1992, quando se tem um cachorro é muito comum encontrar a casa completamente bagunçada, principalmente quando o dono se ausenta por longos períodos. Veterinários apontam que assim como os seres humanos, os cachorros também passam por situações de estresse que mudam o comportamento e até mesmo o metabolismo deles; aliás, os médicos afirmam que os efeitos do estresse nos cachorros são muito mais acentuados do que em nós.
Uma pesquisa desenvolvida pela universidade de Viena garante a eficácia da música como método de terapia para cachorros e ainda aponta que a musica clássica branda é mais eficiente do que as demais. Isso ocorre porque o coração do cão altera o batimento cardíaco na tentativa de acompanhar a frequência da musica. Outro motivo está relacionado a reação do cérebro diante da vibração de cada nota musical. Nos cachorros analisados, 85% dos cães apresentaram uma redução dos níveis de estresse significativa quando comparados aos que não foram submetidos ao tratamento. A pesquisa também confirmou que cães que escutam musicas terapêuticas periodicamente estão mais resistentes a situações estressantes.
"Acredito sim que a música interfira no comportamento animal. Assim como observado nos seres humanos, é fato que quando escutamos uma música tranqüila, lenta ou até um ritmo clássico, ficamos mais calmos e relaxados. Isto é observado também em cães", afirma a veterinária Daniela Mello Parola.

Nenhum comentário: