Proteção Animal, Receitas Veganas e Vegetarianas, Direitos dos Animais, Adoções.

segunda-feira, 16 de julho de 2018

Por que adotar um vira-lata? Tem vantagens!

Saúde

Cão sem raça definida de aproximadamente 1 ano
Muito importante para quem procura um cão ou gato para adotar e ter como companhia, é saber que os vira latas (SRD) são fruto de genes que já foram provados, testados e sobreviveram as condições precárias de alimento e abrigo nas ruas, razão pela qual, costumam ser muito resistentes e saudáveis.
A teoria do vigor híbrido sugere que como um grupo, cães ou gatos de ancestralidade variada serão mais saudáveis que seus ancestrais de pedigree. Em animais de raça definida, o cruzamento de cães com aparência muito similar através de várias gerações produzem animais que podem carregar os mesmos alelos, alguns dos quais são indesejáveis. Isto é ainda mais verdadeiro quando considera-se animais de parentesco próximo. Este cruzamento próximo tem exposto muitos problemas de saúde de natureza genética não tão aparentes em populações menos uniformes. Espécimes sem raça definida são mais diversificados geneticamente devido a natureza casual do encontro entre os pais. A descendência desses encontros tende a expressar menos algumas deficiências genéticas, em virtude da diferença genética natural entre os pais. No entanto, algumas doenças recessivas ocorrem entre muitas raças não relacionadas, e deste modo meramente a mistura de raças não é garantia de saúde genética.
"Cães híbridos tem uma chance muito menor de exibir as deficiências que são comuns às raças de origem", porém o cruzamento não necessariamente garante que a descendência resultante será mais saudável que os pais, pois há uma probabilidade dos filhotes herdarem as piores características de ambos os pais. Esta é uma das razões pelas quais muitos criadores preferem cães de linhagem conhecida. No entanto, é notável que muitos criadores deem preferência à aparência e conformidade dos cães, ignorando fatores intrínsecos ao cão, como a saúde e sua disposição física.
Cães de raça pura e SRD são igualmente susceptíveis à maioria das doenças não relacionadas à genética, como raiva e infestação por parasitas.
Muitos estudos demonstraram que cães sem raça definida tem uma natural vantagem de saúde. Um estudo feito na Alemanha conclui que "cães mestiços necessitam menos de tratamento veterinário".[1] Estudos na Suécia encontraram que "cães mestiços tem menor tendência a desenvolver muitas doenças em relação a um cão normal de raça definida".[2]Dados da Dinamarca também sugeriram que a mistura de raças produz cães com maior longevidade, se comparados a cães de raça definida.[3] Um estudo britânico demonstrou resultados similares, porém concluiu que algumas raças são em geral mais lôngevas que cães SRD (em especial Jack Russell TerrierPoodle miniatura e Whippets).[4]
Em outro estudo, o efeito da raça na longevidade dos cães foi analisado utilizando dados da mortalidade de 23.535 animais. Os dados foram obtidos de hospitais veterinários de ensino nos Estados Unidos. Ao comparar a mortalidade de cães de raça definida com os híbridos foi concluído que aqueles sem raça definida viveram em média 1,8 anos a mais nas condições estabelecidas, considerando animais doentes de diferentes pesos e condições clínicas.[5]

Vira-lata no Brasil

Embora tenham no passado recebido má-fama entre os criadores, comparados aos cães de raça pura, há uma tendência crescente para a popularização do vira-lata no Brasil.
Segundo uma pesquisa realizada pelo Datafolha, esse é o cão doméstico mais comum na cidade de São Paulo. O levantamento entrevistou 613 pessoas, numa amostra representativa da população paulistana com 16 anos ou mais. De acordo com a matéria publicada na Folha de S.Paulo,[6] a adoção dos cães sem raça definida cresce sobretudo nas classes mais altas, onde os cães hoje dividem espaço com animais de raça definida.
Os criadores veem benefícios na melhor saúde e resistência dos animais, pelo fato da mistura gerar um cão com "competências mais equilibradas". Porém, o principal fator que motiva hoje a adoção de cão mestiço está na questão social da adoção. A maior parte destes animais vem de organizações não-governamentais encarregadas de cuidar e doar os animais, recolhidos das ruas ou de donos incapazes de fornecer os cuidados adequados. Especialistas relembram que, embora resistente e adaptável, o vira-lata ainda assim precisa de cuidado veterinário e alimentação correta, para uma saúde mais forte e um desenvolvimento adequado.

terça-feira, 6 de junho de 2017

A cor da pelagem é o que define o seu amor? O preconceito na adoção.

É muito comum em feiras de adoção receber pessoas que chegam para adotar um animal já com o perfil traçado. Em 98% dos casos os adotantes preferem animais de cor...

É muito comum em feiras de adoção receber pessoas que chegam para adotar um animal já com o perfil traçado. Em 98% dos casos os adotantes preferem animais de cor clara. Essa atitude, sem que os adotantes saibam, criam no mundo da proteção uma realidade de preconceito altíssima, que deixa os animais de pelagem preta, frajola ou os escaminhas sempre como última opção.
O que as pessoas não sabem é que isso gera uma vida de espera para animais de abrigos que nasceram com essas características. São os classificados como “menos adotáveis”, que sofrem muitas vezes uma vida inteira esperando a sua chance que pode nunca chegar.

Imaginem passar uma vida toda entre feiras de adoção e abrigos, esperando a chance de ser escolhido. Imaginem envelhecer sem ter dentro de um abrigo a possibilidade de conhecer o quentinho de uma cama, sem saber o que é esperar o retorno do tutor no fim do dia, sem ter a chance de fazer parte de uma família. Morrer sem ter o afago, amor e a saudade de alguém pelo simples fato de ser vitima do preconceito humano.
Aí quando eu conto essa história para os possíveis adotantes do gatinho de olhos azuis e pelagem branca, ou aqueles que escolhem pelo cachorrinho estopinha de pelagem amarela (o tipo que todo mundo quer), eu ouço deles “nossa isso existe mesmo?”
Eu respondo: “Infelizmente sim, que tal aquele pretinho ali que está há quase 5 anos para adoção? Ele é muito dócil!
Os adotantes na maioria das vezes se olham, fazem uma cara de pena e dão a mim a resposta que já faz parte de um coro existente em quase todas as feiras de adoção “Não obrigada, ele é lindo, mas queremos esse aqui mesmo.”
Se um dia você sair para adotar um animal, vá de coração aberto, pergunte a história de cada animal, avalie o tempo que estão há espera de uma família. Porque adotar é um ato de amor, e o amor (o verdadeiro), não tem cor que o defina. Todos merecem uma segunda chance.

 
 

De volta pra escrita!

Oi pessoal!

Tanto tempo sem escrever aqui, mas voltando. Há muito tempo cuidando de outras coisas, mas principalmente deles, meus amores peludos.

Atualmente estou castrando os gatinhos de rua, numa parceria maravilhosa com uma clínica de Fortaleza.

Castração é parte da solução! É o início. Pelo menos tende a diminuir a superpopulação nas ruas, as doenças e o sofrimento dos bichinhos.

Se cada um ajudar um pouquinho, quem sabe não teremos um futuro melhor para os animais?!

É isso aí, pessoal, voltando à ativa aqui no blog.